barriga chapada.jpg

Abdominoplastia HD sem dreno

O Dr. Marco Aurélio Guidugli formado na UNICAMP é especialista em cirurgia plástica de contorno corporal e Abdominoplastia de Alta Definição sem dreno, também chamada de Abdominoplastia 3D, Abdominoplastia HD (High Definition).

Na técnica de Abdominoplastia sem dreno, o abdômen é definido e transformado em homens e mulheres por meio da retirada do excesso de pele e gordura localizadas entre a cicatriz umbilical e os pêlos pubianos.

 

Quando necessário, realizamos  lipoaspiração HD associada um moderno equipamento chamado Renuvion que gera realinhamento do colágeno, retraindo intensamente a pele melhorando a flacidez.

 

O objetivo é desenhar linhas mais naturais, criando sombras, relevos e transformando pessoas em verdadeiras obras de arte!

Como é a Abdominoplastia sem dreno?

Por quê o Dr. Marco Aurélio Guidugli com mais de 11 anos de experiência em abdominoplastia sem dreno, utiliza a técnica de pontos de adesão aprimorada?

 

Essa técnica permite o avanço do retalho na abdominoplastia com menor tensão, colaborando sensivelmente para a redução de complicações, como deiscência de sutura (abertura de pontos), seroma (acúmulo de líquidos) cicatriz hipertrófica (cicatriz alargada), queloide e cicatriz pubiana alta. ​

 

Além de proporcionar aos pacientes maiores índices de satisfação com mínimo desconforto no pós-operatório, pelo não uso de drenos, baixo desconforto doloroso e condições para retornar a suas atividades habituais (trabalhar, exercitar-se e dirigir) mais precocemente. 

mini.jpg

Mini-Abdominoplastia

A mini-abdominoplastia é uma cirurgia indicada para pacientes que apresentam pequena flacidez nas regiões inferiores do abdome (região entre umbigo e pubis). 

Se você apresenta flacidez acima ou ao redor do umbigo, essa cirurgia não irá corrigir o seu problema.

A vantagem dessa cirurgia é proporcionar uma cicatriz menor e  uma recuperação mais tranquila, porém só está indicada quando a flacidez de pele se restringe às regiões abaixo do umbigo.

A mini-abdominoplastia gera apenas uma cicatriz acima do pubis (pouco maior do que a cesariana) e não gera cicatriz ao redor do umbigo.

Abdominoplastia.jpg

Abdominoplastia Modificada (Mini-T)

Muitas pessoas apresentam flacidez no abdome, mas não tem pelo suficiente para realizar uma abdominoplastia clássica. Por outro lado, a miniabdominoplastia não tará o resultado de um abdome sem flacidez como desejado.

Essas pessoas são candidatas a serem submetidas à abdominoplastia modificada ( também conhecida com abdominoplastia em mini T ou abdominoplastia com cicatriz umbilical perdida).

 

A quantidade de pele a ser retirada é intermediária entre a abdominoplastia clássica e a mini-abdominoplastia.

Realizamos a retirada de toda e pele que se encontra em excesso entra a cicatriz da cesariana (ou dobra acima do pubis) e a região abaixo do umbigo.

Como na abdominoplastia clássica, o abdome é todo descolado até próximo à região das mamas (para tratar o afastamento muscular), tracionado, e todo o excesso de pele é removido. 

Porém, o grande detalhe dessa cirurgia é que não conseguimos tirar toda a pele até a região acima do antigo umbigo. Então, o "buraquinho" do antigo umbigo continuará no abdome.

Na abdominoplastia modificada, a retirada de pele é abaixo do "buraquinho" do antigo umbigo, enquanto que na abdominoplastia clássica a retirada de pele é acima do "buraquinho" do antigo umbigo.

Quando ele é fechado, forma uma cicatriz vertical. Por isso, a cicatriz resultante da abdominoplastia modificada é um mini T invertido.

O fechamento do "buraquinho" do antigo umbigo promoverá uma cicatriz vertical, além das cicatrizes presentes na abdominoplastia clássica (ao redor do umbigo e acima do pubis).

Correção diástase.jpg

Correção de diástase muscular

Uma consequência muito comum da gravidez ou de grandes perdas de peso,  é a diástase dos músculos retos abdominais.

Esse músculo é como se fossem duas cintas que se afastam durante a gestação, para que a

barriga possa crescer. Após o parto, os músculos tendem a voltar à posição anterior, porém nunca voltam a ficar juntos novamente como antes da gravidez.

Esse afastamento então denomina-se diástase muscular e pode ser corrigido durante a abdominoplastia, miniabdominoplastia ou abdominoplastia modificada.

Para avaliar o grau de afastamento dos músculos, solicitamos um exame de ultrassom ou tomografia de parede abdominal. Esses exames mostram com precisão o real afastamento muscular.

Muitas mulheres nem sabem que têm essa diástase, mesmo sofrendo consequências.

Além daquela sensação de estômago alto ou de abdome abaulado, a diástase muscular pode comprometer a estabilidade corporal provocando dor nas costas e problemas posturais.

O tratamento da diástase pode ser clínico ou cirúrgico. Clinicamente, pode-se realizar tratamentos com fisioterapeuta ou profissional de saúde habilitado para orientar o fortalecimento dos músculos acometidos.

Porém, a melhora só ocorre em diástases pequenas (menor que 2 cm). Se a gestação causar afastamento dos músculos maior que 2 cm, podemos reaproximar essa musculatura durante a abdominoplastia ou durante a miniabdominoplastia.

 

Além da correção da diástase, podemos corrigir hérnias na parede abdominal durante a cirurgia.

Posso usar cola ao invés de pontos?

Além da sutura da pele e gordura (obrigatória) com fios de sutura absorvíveis, habitualmente utilizamos uma cola biológica chamada Dermabond Prineo, para auxiliar o no processo de cicatrização e permitir o banho 24 horas após a cirurgia. Outro diferencial do uso do Prineo é não haver necessidade de trocas de curativo no pós-operatório, bem como não haver necessidade de retidada de pontos.

Posso engravidar após a abdominoplastia?

O seu ginecologista lhe orientará melhor sobre a conveniência da nova gravidez. Quanto ao resultado, não se pode prever, é aconselhável que tenha a prole já definida antes da plástica abdominal.

Design sem nome-4.png

Posso associar a lipoaspiração HD?

Para a otimização dos resultados da abdominoplastia, geralmente, associamos a lipoaspiração de alta definição em áreas com gordura localizada como os flancos, dorso, pubis, face interna de coxas e braços (de acordo com a necessidade de cada paciente)

Para a melhora de flacidez dessas áreas, utilizamos um aparelho chamado Renuvion, que pode ser aplicado direto na pele, geralmente na região do subcutâneo, após uma lipoaspiração para tratar a flacidez.

 

O Renuvion gera um realinhamento do colágeno que irá, em vista disso, provocar a retração e tratar a flacidez da pele! Em outras palavras, o Renuvion é um instrumento eletrocirúrgico que combina as propriedades únicas do CHP (Cool Helium Plasma) com a energia de radiofrequência (RF). Ou seja, o plasma de Hélio concentra a energia de RF para maior controle do efeito tecidual, permitindo um alto nível de precisão e praticamente eliminando traumas indesejados dos tecidos.

E qual a relevância do Renuvion? Ele chega para se somar a lipoaspiração na busca de resultados ainda melhores. Isto porque a capacidade de retração da pele é limitada em uma lipoaspiração convencional. Mesmo com a lipoaspiração, que consegue retrair um pouco mais a pele do que a lipoaspiração tradicional, algumas pacientes ainda não terão uma retração completa da flacidez existente. E é neste ponto que entra o Renuvion. Ele é utilizado após a lipoaspiração, no mesmo procedimento cirúrgico, retraindo ainda mais a pele, proporcionando um resultado ainda melhor.

Segundo os estudos preliminares a capacidade de retração cutânea com o aparelho é de 30 a 70%, variando muito devido a alguns fatores importantes. Estes fatores são relacionados com a qualidade da pele e a quantidade de colágeno existente em cada paciente.

Com o uso do Renuvion, regiões que geralmente apresentam flacidez como braços, coxa interna e dorso, terão um incremento no resultado final. Aqueles casos de flacidez leve abdominal, no qual seria indicado uma retirada pequena de pele junto com a lipoaspiração também serão beneficiados, pois a paciente poderá evitar uma cicatriz, ou diminuir a extensão da mesma.

Quantos quilos vou emagrecer com a Abdominoplastia?

Sendo uma cirurgia que retira determinada quantidade de pele e gordura, evidentemente haverá uma redução no peso corporal, que varia de acordo com o volume do abdome de cada paciente. 

 

Não são, entretanto, os “quilos” retirados que definirão o resultado estético, mas sim as proporções que o abdome mantenha com o restante do tronco e os membros. Paradoxalmente, os abdomes que apresentam melhores resultados estéticos são justamente aqueles em que se fazem as menores retiradas.


Assim é que a maioria das mulheres apresenta certa “flacidez” do abdome após 1 ou vários partos, com predominância de pele sobre a quantidade de gordura localizada na região. 

 

Estes casos nos permitem excelentes resultados. Em outros casos, em que o paciente está com o peso acima do normal, o resultado também será compensatório e proporcional ao restante do corpo; entretanto, vale à pena lembrar que “excesso de gordura” em outras regiões vizinhas do abdome ainda existirá, o que nos leva a aconselhar àquelas que assim se apresentem a prosseguir com a lipoaspiração ou até mesmo um tratamento clínico ou fisioterápico, para equilibrar as diversas partes entre si.

Pós Op.jpg

Recomendações

Algumas recomendações devem ser seguidas pelos pacientes que vão fazer esse tipo de operação estética, tanto no pré quanto no pós-cirurgia.

Em primeiro lugar, todo tipo de drogas, incluindo medicamentos, toxinas, álcool e cigarros deve ser evitado por no mínimo 45 dias antes da operação cirúrgica.

 

A alimentação mal regulada também devem ser evitada, sendo que o paciente deve realizar, prescrita pela equipe de nutrição da nossa clínica uma dieta mais saudável nas semanas antes da Abdominoplastia. Ademais, todas as instruções dadas pelo cirurgião plástico devem ser seguidas à risca.

Já depois da cirurgia, alguns cuidados também devem ser tomados. Por exemplo, a cinta modeladora que deve ser usada pelo período indicado como necessário pelo cirurgião e a realização de drenagem linfática pela nossa equipe de fisioterapeutas dermato-funcionais.

 

Atividades que envolvem grande esforço físico devem ser evitadas por pelo menos 21 dias após a intervenção cirúrgica.

Em linhas gerais, os resultados se tornam mais visíveis, em geral, 90 dias após a operação.

valor.jpg

Qual o valor da Abdominoplastia sem dreno?

“Quanto custa uma Abdominoplastia sem dreno?”, “Qual o valor de uma Abdominoplastia HD sem dreno com Renuvion?”. O preço da Abdominoplastia sem dreno é uma das perguntas mais frequentes na nossa Central de Agendamentos.

A abdominoplastia sem dreno precisa ser feita com responsabilidade e total segurança. Por isso você não deve levar em consideração apenas o preço da abdominoplastia.

Contudo, o preço da cirurgia, dependerá muito do local onde será feito o procedimento e da necessidade de combinar outras cirurgias. Somente o cirurgião plástico poderá dizer o valor de uma Abdominoplastia sem dreno com ou sem Renuvion ou quanto custa uma cirurgia em uma avaliação presencial, porque existem vários fatores que devem ser analisados: Biotipo, perfil, flacidez da pele, dentre outras características muito individuais.

A experiência e renome do cirurgião plástico em São Paulo, ou em qualquer outro local, é um dos principais fatores que influencia nos valores do procedimento. O valor da cirurgia plástica corresponde, então, a um resumo que envolve: Equipe médica, experiência, hospital, anestesista e pós-operatório.

ESCLAREÇA AS SUAS DÚVIDAS

HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO

Segunda a Sexta-Feira

Das 8h às 18h 

ENDEREÇO

Av. Dr. Chucri Zaidan, 1550 conjunto 608
Morumbi - São Paulo, SP CEP 04711-130

AGENDAMENTO DE CONSULTAS

WhatsApp / TELEGRAM 11-97796-0848

11-3423-4777

SIGA-NOS

  • Instagram - White Circle
  • Facebook - White Circle
  • Branca ícone do YouTube
_DSC1457.jpg
Design sem nome.png

Dr. Marco Aurélio Guidugli

Médico com mais de 17 anos de Experiência formado pela UNICAMP e mais de 11.000 cirurgias realizadas. Cirurgião Plástico Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica. Especialista em Cirurgias de Contorno Corporal, professor de pós-graduação em Cosmiatria. Autor da Coluna "Plástica sem Medo" do IG. Realiza as suas cirurgias no Hospital Israelita Albert Einstein, Hospital Alemão Oswaldo Cruz e Hospital São Luiz.

ONDE ESTAMOS